14 de abril, Dia Nacional do Neurocirurgião

Data é dedicada a homenagear os médicos que realizam intervenções no sistema nervoso

O mês de abril é especial para a neurocirurgia, celebrada no âmbito nacional e internacional, por sua relevância para a medicina. No Brasil, a data comemorativa foi instituída pela lei nº 4.436/2012, no ano de 2012, em comemoração ao centenário do nascimento de Paulo Niemeyer, um dos nomes mais consagrados da especialidade no país. “Ao especialista, cabe estudar e interferir para o correto diagnóstico e funcionamento do sistema nervoso central e periférico, cujas ramificações estão presentes em todo o corpo”, comenta Dr. Luis Borba, presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN).

Até meados de 1900, as doenças de ordem neurológicas dividiam a atenção das especialidades psiquiatria e neurologia, que eventualmente se confundiam. Com o avanço da medicina, ocorreu melhor separação entre as áreas, a evolução da anestesia e das técnicas cirúrgicas. Foi então que surgiu a especialidade da neurocirurgia. 

No Brasil foi estabelecida em 1928, quando Antônio Austregésilo Rodrigues Lima, chefe do serviço de neurologia da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, convocou grandes nomes da então cirurgia moderna para atuarem na nova especialidade. Entre eles, Augusto Brandão Filho, Alfredo Alberto Pereira Monteiro e José Ribe Portugal. A ideia surgiu após o regresso de Austregésilo dos Estados Unidos, por onde visitou serviços de neurocirurgia e se inspirou.

Desde então, a neurocirurgia brasileira passou a se destacar e ganhar prestígio internacional que a acompanha até os dias de hoje. Para se tornar um neurocirurgião, é necessário cursar os seis anos de medicina e mais cinco anos de estudos direcionados à área. 

Sociedade Brasileira de Neurocirurgia

Com o surgimento de uma especialidade, nasce também a necessidade de uma instituição para coordenar as atividades e busca coletiva por direitos e melhores condições de trabalho. Foi assim que, em 1957, os pioneiros brasileiros da neurocirurgia que se encontraram no Primeiro Congresso de Cirurgia Neurológica, em Bruxelas, decidiram iniciar uma sociedade. Entre eles, estavam, os doutores  José Ribe Portugal, José Geraldo Albernaz, J. L. Brito e Cunha, Renato Tavares Barbosa, Paulo Niemeyer, Henrique Austregésilo, Aloysio Mattos Pimenta, Carlos Sacramento, Elyseu Paglioli, Zaluar Campos, Manoel Caetano de Barros e Moacir Bernardes.

De lá para cá, há 63 anos a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia se tornou a terceira maior do mundo na categoria, com aproximadamente três mil neurocirurgiões associados. Sua atuação inclui relacionamento com os órgãos de saúde, para criação de regulamentos do setor; fomento à educação continuada e de qualidade para residentes e veteranos, por meio de cursos e palestras; além de promover eventos anuais para reunir e divulgar as novas técnicas e últimas tendências da área.

Atuação neurocirúrgica frente à COVID-19

Apesar de não ter relação direta com o impacto do novo vírus na saúde, a entidade entende a necessidade de colaborar para a correta informação e orientação de seus associados quanto às medidas provisórias para o atendimento dos pacientes neurocirúrgicos.

Para isso, criou um diretório com curadoria dos assuntos mais relevantes sobre o coronavírus, tanto para prevenção geral, quanto para seus médicos neurocirurgiões, também expostos no atendimento de pacientes assintomáticos. 

“Nesta data, saudamos a todos os neurocirurgiões e neurocirurgiãs do Brasil, por seu relevante empenho e atuação para restaurar a saúde humana”, encerra Dr. Borba.